Parasita

Costumo sentir medo.

Irracional, de tudo aquilo que me transporta ao que deveria ser bom. Um sobressalto imaginário daquilo que imagino não existir; ou existir demasiadamente.

Ele transporta-se perante meu corpo como liquido quente implantado em meu sangue. Percorre cada canto de mim, desde os dedos do pé até a cabeça trazendo consigo a desesperada sensação de horror.

Nunca soube quando ele veio de fato se implantar em mim. Parece que sempre existiu, e persistiu em sua pavorosa essência de se manter parasita em mim. É da minha esperança que parece viver, consumindo-a como alimento para o desespero. Afetou até os batimentos do meu coração, fê-lo desregular sem compasso quase gritando.

“Vai passar”, é o que diz aquilo que de ainda racional vive em mim, mas tão pequeno que é fica difícil ouvi-lo. Grito. Na frustrada tentativa de mascarar aquilo que percorre minhas veias. Grito na iludica tentativa de calar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s