Autopsicografia – Fernando Pessoa

E o segundo poema da série “Poemas de Sábado” é do escritor português Fernando Pessoa.

O poema fala sobre o poeta e seu dom de fingir, seu dom de encantar e mentir.

Autopsicografia

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que leem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração

O poema é de uma estrutura gostosa de ler com métricas suaves, além de um toma bem legal e uma exposição diferente sobre o sentimento de ser poeta/escritor. Foi escrito em 1930 e publicado em 32, é um dos poemas mais conhecidos de Pessoa. O título do poema (Autopsicografia) pode ser “traduzido” como: Descrição do próprio espírito.

Lindo o poema não é? Pessoa é sem dúvidas, encantador.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s