Dias de inverno

Nesse agosto chuvoso e frio fez-se 30 anos da morte de Drummond. A data passaria despercebida pra mim em meio a loucura que andam os dias, mas nesse 2017 ela se tornou mais especial do que eu jamais imaginaria.

O primeiro semestre acadêmico terminou, com ele e as aprovações, trouxe de volta Poema de Sábado com Drummond e meu trabalho sobre A Falta que Ama. Despretensiosa que alguém o leria, o julguei longo demais pra um blog, a surpresa viria nessa última quarta, dia 16. Através do formulário de contato aqui do blog uma mensagem chegou, solicitava meu e-mail pra envio de um presente. Fiquei ansiosa com aquilo, no mundo em que blogs e vlogs ganham muitas coisas eu cheguei a pensa: nossa, não achei que alguém fosse querer me dar um presente. Respondi com meu contato pessoal, não imaginando que o presente que ganharia não seria nada comum.

Eis então que durante minha volta do almoço recebo um e-mail. Ele iniciou com o título que dou a esse post: Dias de Inverno. Uma referencia direta ao que viria. Quem me mandou foi a Maga (como ela carinhosamente assina). Nele vinha sua pequena e emocionante história: assim como eu, mas num passado próximo, ela era uma estudante de letras que também precisou analisar A Falta que Ama (mas no seu caso, o livro todo). Nesse tempo, primavera de 1985, Drummond ainda vivo recebeu uma ligação dela (ele morava no Rio e alguns contatos a ajudaram a chegar até ele). Uma primeira conversa quase aula e uma permissão pra enviar-lhe uma carta com suas dúvidas. Foi então que a resposta chegou até ela:Altruísta e maravilhosa, meu presente era a cópia dessa carta. 30 anos após sua morte, era eu quem recebia um presente maravilhoso como esse e que, assim como pra ela, mudou muita coisa em mim. A Maga chegou até esse blog e consequente até mim enquanto preparava uma aula sobre Drummond, e como parte de uma atitude maravilhosa, ela compartilha essa carta com todos aqueles que se envolvem com Drummond. Nesse dia a escolhida fui eu. Nas palavras dela “Penso que essa carta é um documento literário, não posso ser egoísta com ela, sempre passo para as pessoas que por algum motivo se envolvem com o poeta.” .

O motivo pra ela fazer isso? Deixar Drummond cada vez mais vivo. E de fato ela o fez.

Fiquei horas pensando sobre a atitude dela, sobre a carta, sobre a preciosidade do momento. Perguntei, inclusive, se poderia fazer uma publicação sobre essa carta, e cá estou, contando um pouco da incrível atitude que ela toma e da felicidade que ainda sinto quando vejo essa carta. E termino essa postagem com a resposta da Maga:

Semeie Drummond o planeta está carente de poesia. Essa carta só tem sentido circulando, viva!!

Anúncios

Bem-vinda a nova versão de mim mesma.

E as coisas finalmente começaram a se inverter e que agora permaneçam assim. Deixei o blog totalmente ausente em 2016 (acho que posso afirmar que o fiz o mesmo com minha escrita, leituras e carreira literária) pra me dedicar a um sonho: fazer Letras na USP, que se realizou.

Estudar Letras na USP era um sonho. Nessa faculdade em específico pelas opções de habilitação, grade curricular e profundidade da universidade. Queria me envolver com a literatura, linguística, tradução…Eu adiei esse sonho por alguns bons anos, mas na última sexta ele se tornou real. Adiei muitos sonhos nos últimos anos, mas esse blog é a prova viva (digital) de que estou retornando aos poucos.

fb_img_1478810602880

Terminei o ensino médio em 2006, na época até tentei (em 2007 também), mas não passei. Em meados de 2008 eu tive a oportunidade de cursar uma universidade através do PROUNI. Não quis “gastar” essa oportunidade com Letras, porque esse curso tinha outro destino. Fui então cursar Comunicação Social. Minha habilitação foi em publicidade e propaganda. Na época desse curso eu pensei em prestar Letras também, mas a vida foi deixando isso de lado. Consegui um estágio, em uma das principais agencias do país (não diria que sorte, mas a vida me levou pra conquistas das quais nem sei dimensionar). Evoluí profissionalmente, ainda na mesma agência. Terminei minha graduação em 2012, mas não tinha condições de seguir pra uma outra em um tempo tão curso. Comecei uma pós-graduação, pra me especializar na área que eu trabalhava, tola, nem imaginava que iria abandonar tudo pra realizar meu sonho. 2013 foi o ano que dediquei pra um intercambio. Em 2014 resolvi que voltaria a tentar, foi o ano que também voltei a escrever, fui fazer uma oficina de criação literária e dela derivou esse blog. E tentei. Fuvest 2015, depois Fuvest 2016. Reprovada em todas. Mas pra Fuvest 2017 eu queria fazer diferente: dediquei a hora do almoço pra estudar, depois o sábado todo pra um cursinho. Não foi um ano fácil, mas eu estudei bastante, e precisava dessa ausência externa e dedicação pra poder realizar isso. E no dia 17/02 o reflexo de tudo isso deu certo: passei! Na última terça me matriculei, hoje acessei o sistema e já vi a minha grade do primeiro semestre.

Felicidade é algo que estou esbanjando sem fim. Os planos? Sinceramente, eu não sei, mas quero aproveitar mais o blog, falar dos meus estudos, aprofundar o que já venho tentando fazer em analises, do que leio, continuar escrevendo… Espero que tudo melhore, evolua e me faça mais presente nesse mundo (agora não preciso mais lembrar o que é diagrama de Pauling!), e claro que eu volte a ativa no blog, na vida e na literatura.

Um amigo (amigão por sinal) deixou-me um texto incrível sobre o momento, e quero deixar ele aqui pra lembrar sempre de que, um novo eu se forma:

“Venha, que a USP não existe mais sem a sua história, sem sua garra, sem as linhas e livros que serão rabiscados com sangue e suor. Sua poesia agora é do mundo. E para isso, não existe ABNT”

Minha poesia, os rascunhos… Tudo isso é pra me fazer melhor e me trazer ainda mais pra perto da literatura que eu gosto, da minha escrita. Minha história deu mais um passo pra próximo daquilo que sonhei pra mim.

Que comece uma nova era em mim.

Quem quer sair da zona de conforto?

Esse ano não me dediquei muito ao blog, ou até mesmo à escrita. Fico mal de saber disso, mas me fortalece saber que o motivo é bom. Faz dois anos que estou tentando mudar algumas coisas na vida, inclusive, a criação desse blog é parte disso. E esse ano foi crucial algumas  mudanças drásticas e dedicações para outras coisas. Meu foco não mudou, mas foi momentaneamente direcionado para outros pontos.

Deixei de lado muitas das coisas que publicava regularmente aqui e não consegui nem terminar o #Projeto28, na vida também as coisas estão andando assim. Meu foco esse ano foi estudar, como nunca o fiz antes, e talvez aprender que eu não consigo ser tão multitarefa quanto pensei. E parte de deixar o blog de lado esse ano será poder me dedicar mais pra ele, e pra literatura e escrita nos próximos anos. Step by step. Um passo pra trás pra evoluir.

Sobre o meu futuro literário, ainda é incerto, mas tudo é né? A única certeza que tenho é que continuarei aqui, batalhando pelo que acredito. Inclusive, a pausa na escrita e nas postagens me deu um pequeno tempo pra reler coisas e refletir sobre mim. Eu odeio críticas, e em parte o blog foi um processo de aprender a lidar com elas. Processos demorados. Mas esse tempo me fez relembrar de todas as relevantes ditas e hoje consigo dizer: os outros estavam certos. Eu tentei me fechar em mim, e apesar de ter ouvido ainda não tinha colocado parte das coisas em práticas e fico feliz de ter esperado, hoje elas fazem muito mais sentido. Amadureci como pessoa em uma proporção que não sabia poder durante esse meu “período sabático” e isso vai de fato influenciar minha escrita. Quero reescrever coisas, quero praticar mais (nem que seja em textos como esse que escrevo agora). Um boom se fez e entendi o que me diziam sobre meus textos e que eu não percebia.

O quanto eu mudei? Não sei. Mas parte de mim se sente mais madura e pronta pra alguns desafios. Esses por sinais tem sido um grande fator em mim, tudo o que planejo mudar me tira totalmente da zona de nem tanto conforto, mas cada um dos desafios que estão por vir tem me tirado parte do sono. E isso é bom.

Se me perguntarem o que fiz esse ano na literatura, bom eu li muito. Li contemporâneos, aprendi com a leitura de um jeito que não havia feito antes, inclusive a parte de resenhas foi a única que ficou ativa sem problemas (li menos, é fato, mas meu objetivo não é ler muito e ter um blog de resenhas). Escrevi um conto, tentei uma publicação. Mas só. Na vida? Bom, eu comecei me afastando de pessoas, engolindo críticas e aprendendo a me dedicar, ter paciência e a não surtar com o novo.

O ano ainda não acabou, mas eu já estou na ansiedade do que será o próximo.

As publicações desse tipo mais “diário” vão voltar, preciso falar, dizer, escrever. E voltar a contar da minha trajetória de escritora.

Eu quero sair da minha zona de conforto.

Maratona Carreira Literária

E no último dia 16 saiu a lista das obras participantes da primeira Maratona Carreira Literária.

Ano passado fiz um curso pela plataforma e ao fim tive um conto publicado na antologia que a editora oito e meio (idealizadora do projeto) publicou. No último mês eles abriram basicamente um concurso. Devido as regras, houve uma primeira seleção e meu livro Enquanto a Chuva Caí está lá participando da categoria Prosa. Vamos aguardar o resultado, que terá como premiação a publicação do livro. A partir de agora seguimos para a fase de julgamento dos originais e dos 500, 8 serão escolhidos para a fase seguinte, e depois a fase final. Dia 15 de Setembro haverá um Webinar para divulgar o primeiro resultado dessa fase.

 

Últimas matérias do HL

Quem é leitor do blog sabe que além de escrever aqui, também colaboro com matérias mensais no site Homo Literatus, um site-incrível- sobre literatura. Nesse último ano de trabalho lá tenho sempre postado aqui sobre as matérias que publico lá, mas as últimas acabei não comentando antes. Foram 4 matérias:

Foi isso que rolou nos últimos meses. Deem um pulinho lá pra ver as matérias (e as tantas outras que tem por lá).

Coletânea Escrito Profissional

Escritora-profissional-300x450Em 2015 fiz um curso online chamado “Escritor Profissional”. Como sonho de viver da área, não pensei duas vezes em me inscrever. Depois de muitas dicas, ajudas e conselhos, a editora Oito e Meio, idealizadora do curso, fez uma coletânea com os nossos contos!

Para quem quiser, já está disponível para compra aqui. E pra quem for do Rio de Janeiro, vai ter lançamento oficial no dia 26/02. Infelizmente, não poderei estar presente com meu corpo físico, mas meu coração estará lá.

Contos do Edgar – HL

E na sexta saiu mais um post no Homo Literatus. Ainda faço minha colaboração mensal e comecei o ano com Contos do Edgar, uma série brasileira, bem produzida e adaptada com alguns contos do Edgar Allan Poe, em mês de comemoração de O Corvo e aniversário do mago do terror, nada mais incrível para se falar. Contei um tiquinho sobre a série, que me engoliu um pouco nessas férias. Corre lá.

Lançamento – Pequenos Escritos, Sinistras Histórias

foto 1Quase uma semana depois, estou eu aqui para contar do lançamento do livro Pequenos Escritos, Sinistras  Histórias, do qual participei com um conto.

O livro foi lançado a partir do concurso internacional de contos de terror e suspense, não ganhei o concurso, mas meu conto ficou entre os 50 melhores e eles então fizeram a publicação.

foto 3O lançamento aconteceu no Rio de Janeiro, no último dia 12/12 na Biblioteca Parque Estadual. Contou com a presença de alguns escritores e o lançamento de diversas antologias. O evento foi bem bacana e muita coisa legal: apresentação da editora, bate papo com escritores, venda dos livros e mesa redonda. A editora foi super carinhosa, presenteou todos os escritores, trouxe assuntos bem gostosos de conversar, além de um evento em um lugar muito legal. Trouxe algumas poucas fotos:


foto 2

Infelizmente não teve a sessão de autógrafos. Mas quem quiser comprar o livro basta ir na Amazon.